A problemática do Caramujo Gigante Africano Invasor inserida nos debates entre Saúde Pública, Malacologia e Bioética Ambiental

Uma agenda dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

Resumen

A Bioética Ambiental intermedia a resolução de conflitos globais, plurais e complexos próprios dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, tais como questões envolvidas com animais que causam prejuízos à saúde humana, ao ambiente e à economia tais como o caramujo gigante africano, uma das cem piores espécies invasoras do mundo. O seu controle gera dissonâncias entre os interesses sociais, de gestão pública e, principalmente, nas condutas éticas direcionadas aos animais. Diante desta problemática aparentemente insolúvel desinente da sua amplitude, complexidade e diversidade de desfechos possíveis, se propõe uma reflexão balizadas em princípios técnicos e éticos.

Biografía del autor/a

Marta Luciane Fischer, PUCPR

Bióloga, Artista Plástica, Mestre e doutora em Zoologia, Docente dos cursos de Biologia, Psicologia e Mestrado em Bioética, ex coordenadora CEUa, Ex editora chefe da Revista Estudos de Biologia, Líder do grupo de Pesquisa Bioética Ambiental.

Jéssica de Gang, Pontificia Universidade Católica do Paraná

Técnica em Gastronomia e Mestranda do Programa de Pós-Graduação em bioética da PUCPR

Citas

Abreu, I. S., & Bussinguer, E. C. A. (2013). Antropocentrismo, ecocentrismo e holismo: Uma breve análise das escolas de pensamento ambiental. Derecho y Cambio Social, 10(34), 25.

Agudo-Padrón, A. I. (2008). Vulnerabilidade da rede hidrográfica do Estado de Santa Catarina, SC, ante o avanço invasor do Mexilhão-dourado, Limnoperna fortunei (Dunker, 1857). Revista Discente Expressões Geográficas, 4(4), 75-103.

Alves, M. S., et al. (2006). Zooartesanato comercializado em Recife, Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Zoociências, 8(2), 99-109.

Brasil. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9605.htm. Acesso em 9 de ago 2016.

Bigarella, J. J. (2011). Sambaquis. Curitiba: Posigraf.

Brandão, A. P. D. (2015). Saúde única em articulação com a saúde global: o papel da medicina veterinária do coletivo. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia, 13(3), 77-77.

Boff, L. (1999). Saber cuidar: ética do humano. Rio de Janeiro: Vozes.

Broom, D. M., & Fraser, A. F. (2010). Comportamento e bem-estar de animais domésticos. 4.ª ed. São Paulo: Manole.

Camponogara, S., Viero, C. M., Erthal, G., Silva Diaz, P. Da, Camponogara Rossato, G., Aguiar Soares, S. de, & Rodrigues Peres, R. (2013). Visão de profissionais e estudantes da área de saúde sobre a interface saúde e meio ambiente. Trabalho, educação e saúde, 11(1), 93-111. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462013000100006

Colley, E. (2010). Medidas de controle de Achatina fulica. En M. L. Fischer e L. C. M. Costa (orgs.), O caramujo gigante africano Achatina fulica no Brasil (pp. 203-230). Curitiba: Champagnat.

Colley, E., & Fischer, M. L. (2009). Avaliação dos problemas enfrentados no manejo do caramujo gigante africano Achatina fulica (Gastropoda: Pulmonata) no Brasil. Zoologia, 26(4), 674-683. DOI: https://doi.org/10.1590/s1984-46702009000400012

Costa-Neto, E. M. C. (2006). Os moluscos na zooterapia: medicina tradicional e importância clínico-farmacológica. Biotemas, 19(3), 71-78.

Crook, R. J., & Walters, E. T. (2011). Nociceptive behavior and physiology of molluscs: animal welfare implications. ILAR Journal, 52(2), 185-195. DOI: https://doi.org/10.1093/ilar.52.2.185

Fischer, M. L. (2009). Reações da espécie invasora Achatina fulica (Mollusca: Achatinidae) à fatores abióticos: perspectivas para o manejo. Zoologia 26(3), 1-7. DOI: https://doi.org/10.1590/s1984-46702009005000006

Fischer, M. L., & Amadigi, I. S.N. (2010). História Natural da Achatina fulica. In M. L. Fischer e L. C. M. Costa (orgs.), O caramujo gigante africano Achatina fulica no Brasil (pp. 49-101). Curitiba: Champagnat.

Fischer, M. L., Caires, L. B., & Colley, E. (2015). Análise das informações veiculadas nas mídias digitais sobre o Caramujo Gigante Africano Achatina fulica. RBPEC., 15(1), 149-172.

Fischer, M. L. et al. (2010). Ecologia de Achatina. In M. L. Fischer e L. C. M. Costa (orgs.), O caramujo gigante africano Achatina fulica no Brasil (pp. 101-140). Curitiba: Champagnat.

Fischer, M. L., & Costa, L. C. M. (2010). O caramujo gigante africano Achatina fulica no Brasil. Curitiba: Champagnat.

Fischer, M. L., & Martins, G. F. (2019). Bioética e ODS: de um assunto chato para uma causa da Geração Millenium. In Fischer e Martins (orgs.), Caminhos do Diálogo II: Promovendo a sinergia entre a Bioética, os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e os Estudantes do Ensino Médio (pp. 13- 30). Curitiba: CRM-PR. https://www.crmpr.org.br/uploadAddress/O-Caminho-do-Dialogo-2[4204].pdf

Fischer, M. L., Cunha, T., Renk, V., Sganzerla, A., & Zacarkin dos Santos, J. (2017). Da Ética Ambiental à Bioética Ambiental: antecedentes, trajetórias e perspectivas. História, ciências e saúde-Manguinhos, 24(2), 391- 409. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-59702017000200005

Fischer, M. L., & Oliveira, G. M. (2012). Ética no uso de animais: A experiência do comitê de ética no uso de animais da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Estudos de Biolologia: ambiente e diversidade, 34(83), 247-260. DOI: http://dx.doi.org/10.7213/estud.biol.7337

Fischer, M. L., & Tamioso, P. R. (2016). Bioética ambiental: concepção de estudantes universitários sobre o uso de animais para consumo, trabalho, entretenimento e companhia. Ciência e Educação, 22(1), 163-182.

Fortes, P. A. C., & Ribeiro, H. (2014). Saúde global em tempos de globalização. Saúde e Sociedade, 23(2), 366- 375. DOI: https://doi.org/10.1590/1516-731320160010011

Francione, G. L. (2013). Introdução aos direitos dos animais: seu filho ou cachorro. Campinas: Unicamp.

Griffiths, R., Schloesser, D. W., Leach, J. H., & Kovalak, W. (1991). Distribution and dispersal of the zebra mussel (Dreissena polymorpha) in the Great Lakes region. Canadian Journal of Fisheries and Aquatic Sciences, 48(8), 1381-1388. DOI: https://doi.org/10.1139/f91-165

Halwart, M. (1994). The golden apple snail Pomacea canaliculata in Asian rice farming systems: present impact and future threat. International Journal of Pest Management, 40(2), 199-206. DOI: https://doi.org/10.1080/09670879409371882

Hayashi, C., Martins Soares, C., Matsushita, M., Galdioli, E. M., & Cocito, I. (2004). Desempenho e características de carcaça do escargot francês (Helix aspersa máxima) alimentados com rações contendo diferentes óleos vegetais. Ciência Rural, 34(1), 231-237. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-84782004000100036

Hohn, H., & Costa, M. L. da (2002). Ocorrência de ostras perlíferas no Marajó, rio Pará. Rem: Revista Escola de Minas, 55(1), 61-64. DOI: https://doi.org/10.1590/S0370-44672002000100012

Jonas, H. (2006). O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto.

Marenzi, A. W. C., & Branco, J. O. (eds.) (2006). O cultivo do mexilhão Perna perna no município de Penha, SC. Bases ecológicas para um desenvolvimento sustentável: estudos de caso em Penha-SC. Itajaí: Editora da UNIVALI.

Markert, B. A., Breure, A. M., & Zechmeister, H. G. (2002). Molluscs as bioindicators. Bioindicators and Biomonitors in Bioindicators & biomonitors: principles, concepts, and applications. Gulf Professional Publishing.

Marques-da-Silva, J. (2012). Do Senciocentrismo ao Holismo Ético: perspectivas sobre o valor da bioesfera. Lisboa: Gravitações Bioéticas.

Martins, M. I. M., Porawski, M., & Marroni, N. P. (2010). Fisiologia. In A. G. Feijó, L. G. M. Braga, & P. M. Pitrez (orgs.), Animais na pesquisa e no ensino: aspectos éticos e técnicos. Porto Alegre: Edipucrs.

Martins, M. F. (2003). Dr. Escargot: Utilização de Pequenas Criações na Terapia e no Processo Educacional. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Universidade de São Paulo.

Massara, C. L., Amaral, G., Caldeira, R., Drummond, S., Enk, M., & Carvalho, S. (2008). Esquistossomose em área de ecoturismo do Estado de Minas Gerais, Brasil. Cadernos de saúde pública, 24(7), 1709-1712. DOI: https://doi.org/10.1590/s0102-311x2008000700025

Mather, J. A. (2008). To boldly go where no mollusc has gone before: Personality, play, thinking, and consciousness in cephalopods. American Malacological Bulletin, 24(1), 51-58. DOI: https://doi.org/10.4003/0740-2783-24.1.51

Molento, C. F. M. (2006). Senciência animal. Revista do Conselho Regional de Veterinária.

Monaco, P. A. V., Roldi, G., Vieira, G., Meneghelli, C., & Simon, C. (2015). Conchas de ostras e cascas de ovos moídas como corretivos da acidez do solo. Revista Engenharia na Agricultura, 23(6), 584. DOI: https://doi.org/10.13083/1414-3984/reveng.v23n6p584-590

ONU. (2015). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. ONU. Disponível https://nacoesunidas.org/conheca-os-novos-17-objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel-da-onu/

Regan, T. (2006). Jaulas Vazias, encarando o desafio dos direitos dos animais. Canoas: Lugano. Sadala, M. L. A. (1999). A alteridade: o outro como critério. Revista da Escola Enfermagem USP, 33(4), 355-7. DOI: https://doi.org/10.1590/s0080-62341999000400005

Singer, P. (2004). Libertação animal. Canoas: Lugano.

Palodeto, M. F. T., & Fischer, M. L. (2019). Apropriação da terminologia ‘uso consciente de medicamentos’ visando à promoção da saúde global. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 13(1), 191-207. DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v13i1.1438

Pereira, O. M., & Chagas S. F. (1996). Análise da criação de ostra Crassostrea brasiliana (Lamarck, 1819), no sítio Guarapari, na região lagunar-estuarina de Cananéia-SP. Boletim do Instituto de Pesca, 23, 135-142. Perez, J. (2010). Padronização do esforço da pesca de arrasto em Santa Catarina: o caso da pesca da Lula, Loligo Plei. BJAST, 3(1), 47-56. DOI: https://doi.org/10.14210/bjast.v3n1.p47-56

Rangel, M. L. (2008). Dengue: educação, comunicação e mobilização na perspectiva do controle-propostas inovadoras. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 12(25), 433-441. DOI: https://doi.org/10.1590/s1414-32832008000200018

Taylor, P. W. (2011). Respect for Nature: A Theory of Environmental Ethics. Princeton University Press. The Cambridge Declaration On Consciousness. (2012). Disponível em http://fcmconference.org/img/CambridgeDeclarationOnConsciousness.pdf. Acesso 9 de ago 2016

Thiengo, S. C., & Fernandez, M. A. (2010). Achatina fulica: um problema de saúde pública? In M. L. Fischer e L. C. M. Costa (orgs.), O caramujo gigante africano Achatina fulica no Brasil (pp. 189-202). Curitiba: Champagnat.

Vitule, J. R. S., & Pozenato, L. P. (2012). Homogeneização biótica: Misturando organismos em um mundo pequeno e globalizado. Estudos de Biologia, Ambiente e Diversidade, 34(83), 239-245. DOI: https://doi.org/10.7213/estud.biol.7336

Zenni, R. D., & Ziller, S. R. (2010). Invasões Biológicas: problemas econômicos e ambientais com ênfase em Achatina fulica. In M. L. Fischer e L. C. M. Costa (orgs.), O caramujo gigante africano Achatina fulica no Brasil (pp. 175-188). Curitiba: Champagnat.

Caramujo Gigante Africano. Marcos Simanovic (Wikimedia Commons)
Publicado
2020-07-15
Cómo citar
Fischer, M. L., & Gang, J. de. (2020). A problemática do Caramujo Gigante Africano Invasor inserida nos debates entre Saúde Pública, Malacologia e Bioética Ambiental: Uma agenda dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Revista Iberoamericana De Bioética, (13). https://doi.org/10.14422/rib.i13.y2020.003