Deficiência intelectual, vulnerabilidade e autonomia no Brasil

Análise no contexto da bioética

  • Ivone Laurentino dos Santos UnB

Resumen

 

 

Citas

Agamben, G. (2002). Homo sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Agamben, G. (2004). Estado de exceção - Homo sacer, II, I. Iraci D. Poleti (trad.). (2.ª ed.). Boitempo: Coleção Estádio de Sítio.

Arendt, H. (1993). A dignidade da política - Ensaios e Conferências. Antonio Abranches (org.); Helena Martins e outros (trad.). Rio de Janeiro: Relume-Duramá.

Arendt, H. (2003). O que é política? Reinaldo Guarany (trad.). (4.ª ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Arendt, H. (2008). Homens em tempos sombrios. Denise Bottmann (trad.); pósfacio Celso Lafer. São Paulo: Companhia das Letras.

Arendt, H. (2009a). A condição humana. Roberto Raposo (trad.). (10.ª ed). Rio de Janeiro: Forence Universitária.

Arendt, H. (2009b). Sobre a violência. André de Macedo Duarte (trad.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Arendt, H. (2012a). Origens do totalitarismo - Antissementismo, imperialismo, totalitarismo. Roberto Raposo (trad.). São Paulo: Companhia das letras (de bolso).

Arendt, H. (2012b). A promessa da política. Jerome Kohn (org.); Pedro Jorgensen Jr. (trad.). (4.ª ed.). Rio de Janeiro: DIFEL.

Arendt, H. (2019). Pensar sem corrimão. João Moita (trad.). Lisboa: Relógio d’ Água.

Avendaño, T. (2018). O futuro não ia ser assim: pobreza extrema volta a crescer no Brasil. El País. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=33277&Itemid=1

Barata, R. B. (2009). Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. https://doi.org/10.7476/9788575413913

Berlinguer, G. (2000). Equidade, qualidade e bem-estar futuro. In Garrafa, Volnei & Costa, Sergio Ibiapina F. (orgs.), A bioética no Século XXI (pp. 41-48). Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Berlinguer, G. (2004). Bioética cotidiana. Lavínia Bozzo Arguilar Porciúncula (trad.). Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União [Internet]. Brasília, 5 out 1988. https://bit.ly/1bIJ9XW

Carvalho, R. R. P., & Albuquerque, A. (2015). Desigualdade, bioética e Direitos Humanos. Revista bioética, 23(2), 227-37. http://dx.doi.org/10.1590/1983-80422015232061

CEE- Centro de Estudos Estratégicos da FIOCRUZ - Pesquisa, política e ação em saúde pública. https://cee.fiocruz.br/?q=node/1076

Dos Anjos, M. F. (2006). A vulnerabilidade como parceira da autonomia. Revista Brasileira de Bioética, 2(2). https://periodicos.unb.br/index.php/rbb/article/view/7967

Foucault, M. (1987). Vigiar e Punir - História da violência nas prisões. Raquel Ramalhete (trad.). Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (2001). A microfísica do poder. Roberto Machado (org. trad.). (16.ª ed.). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1992). Pedagogia da Esperança - Um reencontro com a Pedagogia do oprimido. Paz e Terra.

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia - Saberes necessários à prática pedagógica. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2000). Pedagogia da Indignação - Cartas Pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP.

Freire, P. (2016). Conscientização. Tiago José Risi Leme (trad.). São Paulo: Cortez.

Garrafa, V. (2005a). Inclusão Social no Contexto Político da Bioética. Revista Brasileira de Bioética, 1(2), 122- 132. https://doi.org/10.26512/rbb.v1i2.8066

Garrafa, V. (2005b). Da bioética de princípios a uma bioética interventiva. Revista Bioética, Conselho Federal de Medicina, 13(01), 125-134. https://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/97

Garrafa, V. (2012). Ampliação e politização do conceito internacional de bioética. Revista bioética, (1), 9-20. https://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/711

Giovanella L., Lobato, L. V. C., Noronha, J. C., & Carvalho, A. I. (2012). Políticas e sistema de saúde no Brasil (2.ª ed.). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Goffman, E. (2013). Estigma - Notas sobre a Manipulação da Identidade deteriorada. Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes (trad.). (4.ª ed.). Rio de Janeiro: LTC.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. https://censo2010.ibge.gov.br/

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. PNAD Contínua 2018. https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/24857-pnad-continua-2018-educa¬cao-avanca-no-pais-mas-desigualdades-raciais-e-por-regiao-persistem

Kant, I. (2002). Fundamentação da Metafísica dos Costumes e Outros Escritos: Coleção A obra prima de cada autor. Leopoldo Holzbach (trad.). Martin Claret.

Kottow, M. (2003). The vulnerable and the susceptible. Bioethics, 17(5-6), 460-471. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/14959710/

Kottow, M. (2005). Autonomia y proteccin en bioetica. Jurisprudencia Argentina (JA), III(13), 44-49.

Lei Brasileira de Inclusão – 13.146/15. https://proinclusao.ufc.br/wp-content/uploads/2018/03/a-lei-brasileira-de-inclusao.pdf

Mbembe, A. (2016). Necropolítica - biopoder, soberania, estado de exceção política da morte. Arte & Ensaios, (32). https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993/7169

Nussbaum, M. (2009). A fragilidade da bondade - Fortuna e ética na tragédia e na filosofia grega. Ana Aguiar Cotrim (trad.). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Nussbaum, M. (2013). Fronteiras da Justiça - Deficiência, nacionalidade, pertencimento à espécie. Suzana de Castro (trad.). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Porto, D. & Garrafa, V. (2005). Bioética de intervenção: considerações sobre a economia de mercado. Revista Bioética CFM, 13(01). https://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/96

Potter, V. R. (1971). Bioethics: Bridge to the future. Englewood Cliffs: Prentice- Hall.

Santos, I. L. (2020). Igualdade, equidade e justiça na saúde à luz da bioética. Revista Bioética, 28(2). https://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/2171

Schramm, F. (2007). Proteger os vulnerados e não intervir aonde não se deve. Revista Brasileira de Bioética, 3(3), 377-89. https://periodicos.unb.br/index.php/rbb/article/view/7952

Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

Sfez, L. (1996). A saúde perfeita - crítica de uma nova utopia. Marcos Bagno (trad.). São Paulo, Brasil: Unimarco Editora - Edições Loyola.

Sloterdijk, P. (2000). Critique de la raison cynique. Paris: Christian Bourgois.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. (2005). Declaração universal sobre bioética e direitos humanos. Paris: Unesco http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001461/146180por.pdf

Publicado
2021-07-07
Cómo citar
Laurentino dos Santos, I. (2021). Deficiência intelectual, vulnerabilidade e autonomia no Brasil: Análise no contexto da bioética. Revista Iberoamericana De Bioética, (16), 01-15. https://doi.org/10.14422/rib.i16.y2021.008