Status do embrião humano: fundamentação filosófica. Uma reflexão através da fenomenologia

  • Maria Emilia de Oliveira Schpallir Silva Centro Universitário São Camilo

Resumen

Diante da dificuldade em se afirmar em que momento da ontogênese se dá a personalização, buscouse, a partir da reflexão filosófica, definir a natureza do embrião humano no que diz respeito à sua individualidade, utilizando-se como ferramenta a fenomenologia a partir de reflexões de Bourghet e Merleau-Ponty sobre o embrião. Embora a constatação de sua individualidade não comporte per si um conteúdo ético, sob o ponto de vista de uma ética de responsabilidade, é um dado relevante para a reflexão bioética sobre a partir de que momento da ontogênese deve-se (dever ético) proteger a vida humana.

Biografía del autor/a

Maria Emilia de Oliveira Schpallir Silva, Centro Universitário São Camilo

Mestre e doutoranda em Bioética Centro Universitário São Camilo São Paulo Brasil,

Especialista em Bioética pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Médica, especialista em Coloproctologia pela Sociedade Brasileira de Coloproctologia

Graduada em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Membro da Comissão de Bioética da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)

 

Citas

Bourguet, V. (2002). O ser em gestação: reflexões éticas sobre o embrião humano. Rio de Janeiro: Loyola, 253.

Fernandes, M. A. (2011). A clareira do ser: da fenomenologia da intencionalidade à Abertura da Existência. Rio de Janeiro: Daimon, 310.

Ferraz, M. S. A. (2008). Fenomenologia e ontologia em Merleau-Ponty. (Tese doutorado). Universidade de São

Paulo, São Paulo. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde-08072008-145806/pt-br.php

Ferreira, E. C. (2008). A constituição de objetos na fenomenologia de Husserl. Em T. S. Ricardo, F. O. Nythamar, Fenomenologia hoje III: Bioética, Biotecnologia, Biopolítica (pp. 201-215). Porto Alegre: EdiPUCRS.

Maturana, H., e Garcia, F. J. V. (1997). De máquinas e homens (3ª ed.). Porto Alegre: Artes Médicas, 138.

Merleau-Ponty, M. (2006). A Natureza. São Paulo: Martins Fontes, 454.

Pegoraro, O. (2007). A lagarta, a semente e o Supremo. Bioethikos-Centro Universitário São Camilo, 1 (2) 11-113.

Pegoraro, O. (2008). Problemas de ética e bioética. Horizonte, 6 (12) 183-197.

Silva, R. P. (2002). Bioética e biodireito: as implicações de um reencontro. Acta Bioethica, VIII (2). Disponível em: http://www.scielo.cl/pdf/abioeth/v8n2/art04.pdf

Publicado
2017-10-30
Cómo citar
Oliveira Schpallir Silva, M. E. de. (2017). Status do embrião humano: fundamentação filosófica. Uma reflexão através da fenomenologia. Revista Iberoamericana De Bioética, (5), 1-14. https://doi.org/10.14422/rib.i05.y2017.008