Despatologização da transexuailidade

Gabriel Lourenço Silva, Bruna Souza Coelho

Resumen


O presente trabalho tem como objetivo apresentar a necessidade da transexualidade deixar de ser uma patologia, tornando visível a importância desta despatologição e atualmente a colocação do termo transexualismo auxilia o desenvolvimento dos preconceitos e demais problemas. É importante definir alguns termos usados e confundidos como sexo, orientação sexual, identidade de gênero, ressaltando suas distinções e onde cada uma delas se enquadra. Apesar de diversos estudos a classificação é de transtornos psicológicos, elencado como transtornos de identidade sexual, e que a redesignação, embora seja ampla, é o tratamento utilizado na questão sexual cirúrgica que é suficiente para satisfazer o transexual.

Palabras clave


transexual; biodireito; despatologização

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Aurélio, D. Sexo. En Diccionário do Aurélio. Recuperado de https://dicionariodoaurelio.com/sexo Acesso em 15 de mai de 2018.

Bento, B. (2008). A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond Universitária.

Chiland, C. (2008). O Transexualismo. São Paulo: Edições Loyola.

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. Disponível em: http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/cid10.htm Acesso em 28 de mai de 2018.

Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1.955/2010. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2010/1955_2010.htm. Acesso em 27 de mai de 2018.

Cunha, L. (2015). Identidade e redesignação de gênero: Aspectos da personalidade, da família e da responsabilidade civil. Rio de janeiro: Editora Lumen Juris.

D’Agostino, F. (2006). Bioética: segundo o enfoque da filosofia do direito. São Leopoldo: Editora Unisinos.

D’Agostino, R. (2018). STF decide que transexual poderá mudar registro civil sem necessidade de cirurgia. TV Globo, Brasília, 01/03/2018 15h47. Atualizado 01 de mar de 2018 às 21h33. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/stf-decide-que-transexual-podera-mudar-registro-civil-sem-necessidade-de-cirurgia.ghtml. Acesso em 27 de mai de 2018.

Dicionário, I. (2018) Redesignar. Disponível em: https://www.dicionarioinformal.com.br/redesignar/. Acesso em 27 de mai de 2018.

Diniz, M. (2014). O estado atual do biodireito. São Paulo: Saraiva.

Florence, B. (2018). A diferença entre sexo, identidade de gênero e orientação sexual. Disponível em: https://blog.livrariaflorence.com.br/identidade-de-genero-e-orientacao-sexual/ Acesso em 09 de mai de 2018.

Gonçalves, C. (2014). Transexualidade e Direitos Humanos: O reconhecimento da identidade de gênero entre os direitos da personalidade. Curitiba: Jaruá Editora.

Manual Diagnóstico e Estatístico De Transtornos Mentais. 5.ª Edição. Disponível em: https://aempreendedora.com.br/wp-content/uploads/2017/04/Manual-Diagn%C3%B3stico-e-Estat%C3%ADstico-de-Transtornos-Mentais-DSM-5.pdf. Acesso em 27 de mai de 2018.

NLUCON. Disponível em: http://www.nlucon.com/2018/05/oms-retira-identidades-trans-e-travesti.html?m=1. Acesso em 31 de mai de 2018.

Szaniawski, E. (1998). Limites e possibilidades do direito de redesignação do estado sexual: Estudo sobre o transexualismo - Aspectos médicos e jurídicos. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.




DOI: https://doi.org/10.14422/rib.i09.y2019.007

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Licencia de Creative Commons
Revista Iberoamericana de Bioética (ISSN 2529-9573) editada por Universidad Pontificia Comillas se encuentra bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional
 
   

Revista Iberoamericana de Bioética

Universidad Pontificia Comillas

Universidad de Comillas, 3-5 - 28049 Madrid