Violência sexual infantil no Brasil: uma questão de saúde pública

Leide da Conceição Sanches, Gabriela de Araujo, Marina Ramos, Leandro Rozin, Patricia Maria Forte Rauli

Resumen


A violência sexual infantil configura-se como um fenômeno sociocultural que afeta a saúde em seus diversos aspectos, pautada em uma relação hierárquica de poder e nas desigualdades de gênero, étnico-raciais e geracionais, o que leva a dilemas éticos. Neste estudo de abordagem bibliográfica objetivou-se compreender a violência sexual infantil e as principais determinações sociais da saúde a ela relacionadas, favorecendo a compreensão da dinâmica desta violência. Foram utilizados os descritores violência sexual, violência infantil, violência sexual infantil, determinações sociais da saúde, cujo referencial permitiu algumas considerações, dentre as quais, que o caráter doméstico da violência sexual infantil evidencia o constructo social de que o agressor não é distante e desconhecido, mas faz parte do contexto onde ocorre a violência. Além disto, os estudos apontam para um aumento significativo na predisposição para alcoolismo, abuso de drogas, depressão e ideação suicida na vida adulta, reforçando o impacto negativo da violência infantil e juvenil ao longo de toda a vida. Conclui-se que a bioética representa um dos caminhos para a proteção e emancipação dos grupos mais vulneráveis, para proteção dos seus direitos.

Palabras clave


violência sexual; violência infantil; violência sexual infantil; determinações sociais da saúde

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Allroggen, M., Rau, T., & Fegert, J. M. (2014). Sexual harassment among students: prevalence, developmental factors and potential ways of intervention. German Medical Weekly Journal, 89-93. DOI: https://doi.org/10.1055/s-0033-1349659. Acesso em 20 Junho 2018.

American Association of University Women Educational Foundation. (2001). Hostile hallways: Sexual harassment and bullying in schools. Washington, DC. Disponível em: https://www.aauw.org/files/2013/02/hostile-hallways-bullying-teasing-and- sexual- harassment-in-school.pdf. Acesso em 20 junho 2018.

Assis, S. G., Avanci, J. Q., Santos, N. C., Malaquias, J. G., & Oliveira, R. V. C. (2004). Violência e representação social na adolescência no Brasil. Revista Panamericana de Saúde Pública, 16(1), 43-51. Disponível em: https://scielosp.org/pdf/rpsp/2004.v16n1/43-51/pt. Acesso em: 20 Jun. 2018.

Associação Americana de Psiquiatria. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais - DSM. 5.ª ed. Porto Alegre: Artmed 698-700. Disponível em: https://aempreendedora.com.br/wp-content/uploads/2017/04/Manual-Diagn%C3%B3stico-e-Estat%C3%ADstico-de-Transtornos-Mentais-DSM-5.pdf. Acesso em: 20 Jun. 2018.

Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e Adolescência. (2002). Abuso sexual contra crianças e adolescentes. 3.ª edição. Petrópolis, RJ: Editora Autores & Agentes & Associados. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Abuso_Sexual_mitos_realidade.pdf. Acesso em 20 Junho de 2018

Azevedo, M. A., & Guerra, V. (2005). Violência doméstica contra crianças e adolescentes: Um Cenário em Desconstrução. Disponível em: http://www.unicef.org/brazil/pt/Cap_01.pdf. Acesso em 20 Jun. 2018.

Baptista, R. S., França, I. S. X., Costa, C. M. P., & Brito, V. R. S. (2008). Caracterização do abuso sexual em crianças e adolescentes notificado em um Programa Sentinela. Acta Paul Enferm, São Paulo, 21(4), 602-608. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002008000400011. Acesso em 20 Jun. 2018.

Bevans, K., Cerebone, A. B., & Overstreet, S. (2005). Advances and future directions in the study of children’s neurobiological responses to trauma and violence exposure. Journal of Interpersonal Violence, 418-425. DOI: https://doi.org/10.1177%2F0886260504269484. Acesso em 20 jun. 2018.

Borges, J. L., & Dell’aglio, D. D. (2008). Abuso sexual infantil: indicadores de risco e consequências no desenvolvimento de crianças. Revista Interamericana de Psicologia, 42(3), 528-536. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/284/28442313.pdf. Acesso em 20 Jun. 2018.

Brasil, Ministério da Saúde (2010). Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/consulta-publica/arquivos/1393133501.pdf. Acesso em 20 Jun. 2018.

Gomes, R., Minayo, M. C. S., & Fontoura, H. A. (1999). A prostituição infantil sob a ótica da sociedade e da saúde. Revista de Saúde Pública, 33(2), 171-179. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89101999000200009&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 Jun. 2018.

Heberle, V. M., Osterman, A. C., & Figueiredo, D. C. (Orgs). (2006). Linguagem e Gênero: no trabalho, na mídia e em outros contextos. Florianópolis: Editora da UFSC.

Koifman, L., Menezes, R. M., & Bohrer, K. R. (2012). Abordagem do tema “Violência contra a criança” no curso de Medicina da Universidade Federal Fluminense. Revista Brasileira de Educação Médica, 36(2), 172-179. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbem/v36n2/04.pdf. Acesso em 20 Jun. 2018.

Landini, T. S. (2006). Violência Sexual contra crianças na mídia impressa: gênero e geração. Cadernos Pagu, (26), 225-252. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104--83332006000100010&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 Jun. 2018.

Lowenkron, L. (2013). A cruzada antipedofilia e a criminalização das fantasias sexuais. Sexualidad, Salud y Sociedad, 15, 37-61. DOI: https://doi.org/10.1590/S1984-64872013000300003

Lowenkron, L. (2015). O monstro contemporâneo: a construção social da pedofilia em múltiplos planos. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Machado, T. F. A. (2013). Criança vítima de pedofilia: fatores de risco e danos sofridos. Dissertação (Mestrado em Medicina Forense) - Universidade São Paulo, disponível em: www.teses.usp.br/teses/.../Dissertacao_Mestrado_Talita_Ferreira_Alves_Machado.pdf. Acesso em 20 Jun. 2018.

Martins, C. B. G., & Jorge, M.H.P.M. (2010). Abuso sexual na infância e adolescência: perfil das vítimas e agressores em município do Sul do Brasil. Texto Contexto Enfermagem, 19(2), 246-255. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072010000200005&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 Jun. 2018.

Mcmaster, L. E., Connolly, J., Pepler, D., Craig, W. M. (2002). Peer to peer sexual harassment in early adolescence: A developmental perspective. Development and Psychopathology, 14, 91-105. DOI: https://doi.org/10.1017/S0954579402001050

Minayo, M. C. S. (2009). Conceitos, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal à saúde. In K. Njaine, S. G. Assis, & P. de Constantino, Impactos da violência na saúde. 2ª ed. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Educação à Distância na Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Disponível em: http://www1.londrina.pr.gov.br/dados/images/stories/Storage/sec_mulher/capacitacao_rede%20/modulo_2/205631-conceitos_teorias_tipologias_violencia.pdf. Acesso em 01 Nov. 2018.

Penchaszadeh, V. (2018). Bioética y salud pública. Revista Iberoamericana de Bioética, (7), 01-15. DOI: https://doi.org/10.14422/rib.i07.y2018.004

Pinheiro, P. S. (2006). Relatório do especialista independente para o Estudo das Nações Unidas sobre A Violência Contra Crianças. ONU. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/pt/Estudo_PSP_Portugues.pdf. Acesso em 20 Jun. 2018.

Saffioti, H. I. B. (1997). Violência de gênero: lugar da práxis na construção da subjetividade. Revista Lutas Sociais, São Paulo, (2). Disponível em: http://www4.pucsp.br/neils/downloads/v2_artigo_saffioti.pdf. Acesso em 20 Jun. 2018.

Santoro Jr, M. (1994). Saúde e violência na infância e na adolescência. J Pediatr, (5), 259-61.

Saywitz, K. J., Mannarino, A. P., Berliner, L., & Cohen, J. A. (2000). Treatment for sexually abused children and adolescents. American Psychologist, 55(9), 1040-1049. DOI: https://doi.org/10.1037/0003-066X.55.9.1040

Schmickler, C. M. (2006). O Protagonista do Abuso Sexual: Sua lógica e estratégias. Chapecó: Argos.

Serafim, A. P., Saffi, F., Rigonatti, S. P., Casoy, I., & Barros, D. M. (2009). Perfil psicológico e comportamental de agressores sexuais de crianças. Revista Psiq Clínica, 36(3), 101-111. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832009000300004&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 Jun. 2018.

Silva, C. I., & Oliveira, H. I. (2017). Questões bioéticas no atendimento à criança vítima de violência sexual. In M. A. Sanches, & D. P. Simão-Silva (Orgs.) Violência familiar: múltiplas faces e muitas marcas (pp. 109-120). Curitiba: CRV.

Vigarello, G. (1998). História do estupro: violência sexual nos século XVI-XX. Rio de Janeiro: Zahar.

Werner, F. F. C. L., & Simão-Silva, D. P. (2017). Bioética, educação e enfrentamento à violência sexual contra a criança e o adolescente. In M. A. Sanches, & D. P. Simão-Silva (Orgs.) Violência familiar: múltiplas faces e muitas marcas (pp. 121-131). Série Bioética v. 6. Curitiba: CRV.

Williams, T., Connolly, J., Pepler, D., & Graig, W. (2003). Questioning and sexual minority adolescents: High school experiences of bullying, sexual harassment and physical abuse. Can J Commun Ment Health, 22, 47-58. DOI: https://doi.org/10.7870/cjcmh-2003-0013




DOI: https://doi.org/10.14422/rib.i09.y2019.003

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Licencia de Creative Commons
Revista Iberoamericana de Bioética (ISSN 2529-9573) editada por Universidad Pontificia Comillas se encuentra bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional
 
   

Revista Iberoamericana de Bioética

Universidad Pontificia Comillas

Universidad de Comillas, 3-5 - 28049 Madrid