Las políticas de biocontrol genético y contratación laboral en Brasil

  • Ana Paula Myszczuk Doutora em Direito Econômico e Socioambiental (PUCPR) Professora do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Governança Pública, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Brasil
  • Jussara Maria Leal de Meirelles Doutora em Direito das Relações sociais (UFPR) Professora do Programa de Pós-Graduação em Bioética e do Programa de Pós-Graduação em Direito, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Brasil

Resumen

El artículo analiza la (im)posibilidad legal de utilizar el biocontrol genético en la selección de trabajadores en Brasil. Parte del problema de que el establecimiento de criterios sobre quién puede o no permanecer en el trabajo requiere límites legales. Para responder al problema, se introduce una discusión sobre la sociedad de control y el uso del control genético; se establecen hitos biolegales y se analiza la (im)posibilidad del uso de pruebas genéticas en el sistema legal laboral brasileño.

Citas

Bertucci, S. (et al.). Uma análise dos desdobramentos éticos e práticos no uso de exames de DNA na seleção de candidatos a empregos no Brasil. 2011-2012. Disponível em: https://goo.gl/quvIbQ

Brasil. Tribunal Regional do Trabalho (TRT-23) - RO: 87200402123002 MT 00087.2004.021.23.00-2, Relator: Juiz convocado Paulo Brescovici, Esclerose lateral amiotrófica (ela) - combinação de fatores genéticos e contatos com substâncias químicas tóxicas para o seu desencadeamento ou potencialização - ausência de exames admissionais e demissionais - exposição a agentes químicos - teoria da concausa - responsabilidade do empregador. Data de Julgamento: 18/07/2006, Tribunal Pleno, Data de Publicação: 01/08/2006. Disponível em: https://goo.gl/fHqaq8

Brasil. Supremo Tribunal Federal (STF) - RE n. 112.676-MG – 2ª Turma. Relator: Min. Francisco Rezek. Administrativo - concurso público - policial civil- exame psicológico - conceito de “não recomendado” - honorários advocatícios em mandado de segurança - matéria sumulada (STF. 512) - provimento parcial do recurso. Data do julgamento: 24.02.2000. Data da publicação: 30.03.2000. Disponível em: https://goo.gl/w8YV7G

Capra, F. (2002). Conexões Ocultas. São Paulo: Editora Cultrix.

Gattás, G. J. F., Segre, M., Wünsch Filho, V. (2002). Genética, biologia molecular e ética: as relações trabalho e saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 7 (1) 159-167. Disponível em: https://goo.gl/w52XFJ

Myszczuk, A. P., Meirelles, J. M. (2009). Testes Genéticos, Eugenia E Contrato Do Trabalho: Análise À Luz Da Declaração Universal Dos Direitos Humanos E Do Genoma Humano E Da Constituição Federal De 1988. In XVIII Congresso Nacional do CONPEDI, 1117-1132. Disponível em: https://goo.gl/uU0Nyn

–– (2013). El analfabetismo funcional en Brasil y sus implicaciones en el consentimiento libre del paciente: un análisis de la vulnerabilidad. In VIII Congreso Mundial de Bioética, 162-170.

–– (2014). La protección del ser humano en la era posgenómica: el ser humano inmaterial. Revista de Derecho y Genoma Humano, (1) 401-409.

Ossege, A. L. (2014). Análise bioética de alguns aspectos do rastreamento genético na admissão do trabalhador. Disponível em: https://goo.gl/DY14k3

Garrafa, V. (2015). Bioética e mapeamento genético na seleção de trabalhadores. Saúde em debate, 39 (104) 225-237.

Passetti, E. (1999). Sociedade de controle e abolição da punição. São Paulo em perspectiva, 13, 3. Disponível em: https://goo.gl/A2Ojn2

Sibilia, P. (2011). O corpo obsoleto e as tiranias do upgrade. Verve, (6). Disponível em: https://goo.gl/cE8Fop

Silva Neto, M. J. (2009). Constituição, discriminação genética e relações de trabalho. Revista brasileira de direito público. Disponível em: https://goo.gl/vvEmzH

Tótora, S. (2006). Democracia e sociedade de controle. Verve: Revista Semestral Autogestionária do Nu-Sol, (10). Disponível em: https://goo.gl/i00bBv

Vieira, R. A. Do corpo à vida: o trabalho na sociedade de controle. Anais do 6º Seminário em Estudos do Trabalho. Disponível em: https://goo.gl/lMkhOQ

Xavier, B. (2005). O acesso à informação genética: o caso particular das entidades empregadoras. In Ascensão, J. O., Estudos de Direito da Bioética. Coimbra:Almedina, 141-164.

Publicado
2017-01-31
Cómo citar
Myszczuk, A. P., & Leal de Meirelles, J. M. (2017). Las políticas de biocontrol genético y contratación laboral en Brasil. Revista Iberoamericana De Bioética, (3), 1-14. https://doi.org/10.14422/rib.i03.y2017.006
Sección
Artículos