Bioética, gênero e a constituição do ser humano no processo educacional brasileiro

  • Peterson Beraldo de Andrade Universidade do Vale do Sapucaí
  • Sônia Aparecida Siquelli Grupo de Estudos e Pesquisas em Fundamentos da Educação - Universidade Federal de Uberlândia

Resumen

Este artigo tem como objetivo abordar, sob a perspectiva da Bioética, as questões entre gênero e educação na Educação Básica pelos pedagogos que atuam nos Ensinos Fundamental I e II de escolas públicas e privadas do município de Pouso Alegre-MG. A metodologia empregada foi uma análise de conteúdo. Foi realizada uma investigação bibliográfica e aplicado um questionário com questões semiestruturadas a dezoito pedagogos de duas escolas públicas e um colégio particular. O desconhecimento dos docentes sobre bioética e o diálogo acerca das questões de gênero foi constatado. Isso parece ser devido à ausência, em sua formação na graduação, da abordagem bioética sobre as questões de gênero. Os argumentos utilizados pelos pedagogos também demonstraram certa ignorância em relação à temática. A educação forjada na sociedade do preconceito, pelo que tudo indica, necessita do conhecimento bioético na prática pedagógica de pedagogos.

Biografía del autor/a

Peterson Beraldo de Andrade, Universidade do Vale do Sapucaí

Departamento de Pedagogia

Área: Fundamentos da Educação, Psicologia da Educação, Currículos

Sônia Aparecida Siquelli, Grupo de Estudos e Pesquisas em Fundamentos da Educação - Universidade Federal de Uberlândia

Departamento do Mestrado em Educação:

Fundamentos e História da Educação

Citas

Arendt, H. A. (2007). Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. ‘Conceitos de Família’. Disponível: http://www.ibge.gov. br/home /estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/conceitos.shtm

Brasil. Ministério da Saúde-CNS. Resolução n.º 466, de 12 de dezembro de 2012.

Figueiredo, A. M., y França, G. V. (2009). Bioética: uma crítica ao principialismo. Revista Derecho y Cambio Social, (17), 2-3. Disponível: http://www.derechoycambiosocial.com/revista017/bioetica.htm

Foucault, M. (1985). História da sexualidade: o cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal.

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

João Paulo II. (1988). Mulieris Dignitatem. A dignidade e a vocação da mulher. São Paulo: Paulinas.

Lima vaz, H. C. (2011). Antropologia Filosófica. Vol. 1. 11.ª ed. São Paulo: Edições Loyola.

Potter, V. R. (2016). Bioética: Ponte para o Futuro. São Paulo: Loyola.

Vianna, C. (2006). Evolução histórica do conceito de educação e os objetivos constitucionais da educação brasileira. Revista Janus. Lorena, 3(4), 130. Disponível: http://publicacoes.fatea.br/index.php/janus/ article/viewFile/41/44

Publicado
2019-07-05
Cómo citar
Andrade, P. B. de, & Siquelli, S. A. (2019). Bioética, gênero e a constituição do ser humano no processo educacional brasileiro. Revista Iberoamericana De Bioética, (10), 1-16. https://doi.org/10.14422/rib.i10.y2019.004